quarta-feira, agosto 02, 2006

Farra no BNDES

Era tradição do BNDES, que seus representantes junto aos conselhos de administração das empresas que o BNDES tem participação, não fossem remunerados. O PT-Lula acabou com isso. Agora a farra é total. Sobre-salários para seus pelegos. Mais gente se agarrando nas mordomias.

8 comentários:

soldadonofront disse...

Farra mesmo foi o PROER, SIVAM e as Privatizações.

Tiago Motta disse...

Sivam é o que garante nosso conhecimento sobre amazônia hoje.

Proer impediu que crises como a que aconteceram na Argentina e no México acontecessem no Brasil. Hoje você pode guardar dinheiro em fundos de investimento graças ao Proer.

As privatizações fizeram o Brasil crescer. E se hoje você usa celular por exemplo, devia agradecer a elas.

Todos os países que hoje crescem fizeram programas semelhantes.

Ricardo disse...

Todos os países periféricos que se subordinaram ao consenso de Washington para se inserir na globalização produziram a tragédia para a qual FHC conduziu o país. Felizmente, Lula-lá está consertando 8 anos de entreguismo. O outrora enfraquecido BNDES deixou de emprestar dinheiro barato para as transnacionais comprarem a preço de banana o patrimônio público (no caso do 1/3 da Cemig, negócio feito pelo Azeredo em MG, os gringos não pagaram nem a primeira parcela, apesar de levarem dividendos durante um ano!!!). E agora o banco financia – com lucro – projetos de desenvolvimento, aqui e na AL, reforçando a nova inserção do Brasil como liderança regional. Pense grande, Thiaguinho!

Tiago Albineli Motta disse...

Gostaria que você citasse esses "Projetos" que o BNDES está financiando aqui no Brasil. A unica coisa que podemos ver é BNDES dando dinheiro aos bolivianos.

Entreguismo? Chamo entreguismo quando Lula entrega nossa industria à concorrencia desleal da China. Isso sim é entreguismo. Ricardinho :)

Ricardo disse...

Sobre entreguismo, além de casos como as privatizações da Embratel, da Telebrás e da Vale do Rio Doce, cito a Lei Geral de Telecomunicações, de 1996. Se não conhece, procure saber como o Brasil abre mão de ter o controle estratégico sobre o setor. Dá náuseas a qualquer Brasileiro que mereça a certidão de nascimento, meu caro.

Quanto a projetos inovadores feitos pelo BNDS, se informe, Thiago:

http://www.bndes.gov.br/programas/programas.asp#indust

Forte abraço do Ricardo (votolula.blogspot.com)

Tiago Albineli Motta disse...

Está aí a diferença entre nossos pensamentos. Você acredita que privatizações são entreguismo. Eu não.

E tenho grandes exemplos de países onde a telecomunicação e mineração não são estatais e são países com grande crescimento economico e social. Chile, Islandia, Coreia do Sul e outros estão entre os que são emergentes.

Nenhum grande país do mundo sustenta um crescimento baseado em estatização. A China é um caso a parte.

Por possuir mais de um sexto da população mundial, as empresas admitem o risco de investir lá pelo enorme mercado consumidor e pelo salario baixissimo aos trabalhadores.

Gostaria que você me indicasse um só país que tenha dado certo baseado na manutenção de empresas estatais nas areas de telecomunicações e minérios.

Ricardo disse...

Não sou contra privatização. Sou contra elas serem conduzidas em processos obscuros, com forte influência dos grupos internacionais na elaboração das normas dos leilões, na interferência direta e indevida dos Mendonça de Barros e dos Sérgio Mottas da vida. Sou contra a sub-avaliação de ativos, sou contra o financiamento público para a mamata provada. Sou contra a propaganda mentirosa contendo promessas de serviços bons e baratos, que não se realizaram; sou contra, enfim, a forma como o PSDB entregou as nossas estatais. Aquilo foi coisa de bandido.

Tiago Albineli Motta disse...

Com todo respeito, vê se que você não tem a menor idéia de como ocorreram as privatizações.

"com forte influência dos grupos internacionais"

Chega a ser piada.